terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Fechando o Jardim


Então é hora de ir. De vez. Sair daqui e deixar tudo. As flores estão quase todas mortas e as que restam não resistirão ao sol desse verão. As folhas caídas já foram levadas pela chuva ou desfazem-se em comida para a terra quase seca. Hora de fechar os portões desse jardim.
Desde que plantei as primeiras sementes, muito mudou. O tempo agora parece mais afoito; o sol parece queimar mais; as casas tomaram parte do terreno antes baldio; há muitas luzes na cidade em volta e muito barulho das máquinas projetadas para afastar os humanos da vida. O rio secou aqui.
Quando cheguei havia árvores, uns passarinhos que cantavam pela manhã, umas crianças que corriam entre as plantas. As folhas secas estalavam cochichos nos meus pés. Costumávamos todos dançar no fim de tarde, antes do pôr-do-sol. Era uma vida colorida. Eram cores de inocência e frescor.
O tempo correu no meu jardim. Muitas visitas, muitos encontros felizes, alguns mais rasos, uns bem intensos, umas tristezas descabidas. Pessoas inesquecíveis, outras fáceis de esquecer. Abraços e beijos, sorrisos e muitas despedidas. Danças em par, em trios, em grupos, danças em solidão. Alvoradas eternizadas nas canções da natureza, entardeceres trançados nos encantos de olhares profundos. Tantas lembranças. Tantas saudades. Tantas vontades desfeitas, outras rarefeitas. Vontades despertas a cada flor que crescia.
A chuva caiu, o vento passou, o sol aqueceu, o sereno acalentou. A lua derramou luz e sonho, as estrelas despertaram esperanças, as nuvens ensinaram o inconstante, a terra ensinou a ter firmeza, a raiz trouxe a força, as folhas mostraram o balé da queda livre como quem se entrega à vida sem resistir ao inevitável. Aprendizados de jardim.
A metáfora que escolhi para este lugar, o jardim imaginário onde plantei meus sonhos e minhas lágrimas, deixa de ser, em mim, o espaço sagrado. Não que tenha perdido o sentido. Mas eu me perdi desse lugar. Cresci com as árvores. Despetalei algumas dúvidas. Enraizei algumas certezas, entre elas a de que serei eternamente esse caminho em transformação. Serei a estrada que me leva a outros jardins, a outras casas, outros rios, outros descaminhos. Serei eu mesma a passagem por onde pretendo chegar ao lar, a casa que, enfim, tento construir nessa existência. Ela ainda não existe fora dos pensamentos. Mas para chegar até lá é preciso deixar o jardim. E por isso, só por compreender a necessidade do movimento, de partir, de sempre devir, é que parto para não voltar. Esse lugar não é mais meu. Não é de ninguém. Vou e não sei para onde. Mas estou indo.
Este ano de 2013 veio com a intensidade das marés em lua cheia. Por dentro e por fora, os movimentos foram incontornáveis. Para mim, fecha-se um ciclo longo e denso, um ciclo de alguns anos de florescimento. Nada fácil, mas nem tão difícil. Nada do que me arrependa. Muito para me sentir feliz, mais a cada dia. Acho que criei este lugar, este jardim, para me sentir acolhida, já que em terra estranha. O Rio de Janeiro é lindo por fora, mas cria alguns vazios por dentro... e assim fui me preenchendo, inventando um meio de não estar tão só. E nessa brincadeira de plantas e flores a vida foi me oferecendo lírios amigos, rosas solidárias, jasmins companheiros, damas da noite perfumadas, margaridas divertidas, cravos carinhosos, orquídeas, azaleias, crisântemos. A vida em flor.
Mas como tudo que floresce um dia morre, despetalou-se meu tempo. Vai o ano e chega um outro tempo em mim. Hora de renovar as vontades e as verdades, hora de começar de novo e insistir no caminho do coração, o caminho do amor. Despeço-me Aqui do meu Jardim. Com alguma ponta de nostalgia. Mas há mais ímpetos para o presente. “Não tenho tempo pra guardar recordações...”. Sem malas, sem caixas, sem pesos. Só histórias. E um desejo imenso de fazer de cada passo um novo começo, uma nova chance de ser feliz de novo e de novo. Até que encontre um lugar, a casa que há aqui dentro, A Casa com Jardim.
Deixo, pois, este jardim. Não estou mais aqui. Agora não estou em lugar nenhum.

 

Um comentário:

  1. Que lindo Mari! Texto maravilhoso. Feliz Ano Novo!

    Beijo grande!

    ResponderExcluir